Político, apresentador de stand up e/ou mulher-fruta?

Há uma linha de autores norte-americanos que vem demonstrando como a figura política tem se tornando tão próxima da concepção de celebridade quanto qualquer apresentador de TV.

À título de exemplo, podemos lembrar das últimas eleições para presidenciáveis, cujos debates ocorriam de modo pouco preocupado com a explanação de propostas de governo.

Longe de concordar com Chomsky, eu não vejo o povo como um rebanho ordenado, mas sim com potencial de reivindicar maior responsividade do poder público. Entretanto - e aqui eu concordo com um autor que se matou juntamente com a esposa pois disse não haver graça no mundo sem sua companheira - Gorz, ao indicar que não há mais lutas de classe pois não há mais sentido pensar em classes, a identidade que junta as pessoas se torna mais vaga, fazendo fraquejar sua luta de causa.

Sobra um espaço enorme para encaixar os assuntos políticos numa face de entretenimento. E partindo desta ideia, julgo que trabalhos como os que são feitos na fan page da cidade de Curitiba, tendem a diminuir a predisposição que as pessoas tem de evitar assuntos políticos, ou mesmo inibir um contato maior entre prefeitura e cidadão.

Além disso, se cada um tiver o mínimo de engajamento com sua comunidade ou cidade, o ganho deverá ser muito maior do que esperar um milagre vindo da ponta da "pirâmide".